contato@ivonelima.com.br

Paulo Afonso-BA, 19 de maio de 2022

Representante da Atlântico vai para cima dos vereadores “Estamos com prejuízo de 18 milhões em Paulo Afonso”

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp
b10dfa0d-6f9b-493a-a729-65de7bba05e7

PAULO AFONSO – Renato Honório de Carvalho, representante da empresa de ônibus Atlântico, botou para quebrar em cima dos parlamentares que castigaram a Atlântico na primeira parte das discussões sobre o contrato da empresa, agora na Câmara Municipal.

De acordo com ele, tudo o que a empresa queria era cumprir o contrato, ocorre que a prefeitura prometeu um quantitativo de passageiros por quilômetro, mas a realidade é outra.

“Tiram conclusão sem conhecer o contrato”, começou ele, “Por exemplo: meu custo quilômetro hoje custa 8,25, e no contrato é garantido que a empresa teria 2.27 passageiros por quilômetro, é só isso que a gente quer, nos dê que a empresa coloca tudo o que vocês almejam e até mais.”

Renato afirmou que, fosse como reza o contrato, a tarifa seria de 3,60 centavos, porém, como está, com apenas 1,2 passageiros por quilômetro, a empresa precisaria de uma tarifa de 7 reais para cobrir os custos.”

Renato disse ainda que, o prejuízo da Atlântico antes da pandemia, por não ter reajustado os 20 centavos, foi 500 mil reais.

De acordo com o representante, os ônibus estão de acordo com o que pede o contrato, que é até 6 anos de uso. “É ofensivo dizer que são sucatas.”

A Atlântico faturou 300 mil reais em abril, teve despesa de 100 mil com óleo diesil, e restou 200 mil “para tudo.”

“Eu tenho funcionários que recebem na data base e estão há cinco anos sem aumento, porque não é possível pagar.”

Com um rombo desse, o representante afirmou que a empresa ainda opera em Paulo Afonso “porque é signatária de um contrato”, mas que vai ajuizá-lo para reaver depois.

Em miúdos temos o seguinte: além de pagar a tarifa mais cara da Bahia, o pauloafonsino corre o risco de ter que arcar com milhões de reais, via imposto, caso a empresa coloque a prefeitura na Justiça por não cumprir o contrato.

 

 

Foto ASCOM/CMPA. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.