contato@ivonelima.com.br

Paulo Afonso-BA, 25 de maio de 2022

Raimundo Caires sabe que o PP não é de ninguém

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp
f9500f63-bdf6-44bb-90bf-6caa3679b470

PAULO AFONSO – A noiva mais cobiçada para as eleições vindouras no campo da oposição tem o coração de gelo. Ninguém se iluda com afagos dos progressistas porque eles só pensam neles, e não à atoa que, por muitos anos reinando sozinhos na oposição, depois da malfada tentativa de fazer um prefeito com Dernival Oliveira, sem que conseguissem atingir quatro dígitos, preferiram passar como legenda mercenária que se junta apenas para destruir o inimigo, sem projeto nenhum.

Foi exatamente o que aconteceu há quatro anos. Primeiro, o deputado Mário Júnior lançou-se pré-candidato a prefeito de Paulo Afonso. Isto impediu a fuga em massa de correligionários, mas todos sabiam de certeza que não vingaria.

Em seguida, abandou as juras de amor que até então mantivera com o pré-candidato Raimundo Caires, e casou-se com Paulo de Deus, assim do dia para a noite, deixando um rastro de dissabores. E neste caso para todos os lados. Luiz de Deus (PSD), então canditato a prefeito, e irmão de Paulo, se dizia bestificado com a aliança que fora forjada. “Como é possível depois de tudo o que fizeram a Paulo na Chesf?”, disse para quem quisesse ouvir na RBN.

Eis que, de tanto semear vento, o PP colheu tempestade, e viu nas eleições gerais do ano passado, seus nomes mais importantes se derreterem nas urnas. “O PP está tentando se reconstruir. O caminho é difícil, mas começa por definir claramente quem é do partido e quem não é”, disse um interlocutor do deputado federal Mário Júnior.

Raimundo e Anilton Bastos disputam a mesma namorada

Calejado, Raimundo apenas assiste de longe ao flerte escancarado entre o pré-candidato a prefeito Anilton Bastos (Podemos) e o PP, sabe que já bebeu esse vinho e a ressaca que deu. Mas não avança contra o partido na esperança de que volte a balançar o coração petrificado da legenda.

“/Hoje eu tenho apenas uma pedra no meu peito/ exijo respeito/ não sou mais um sonhador/ chego a mudar calçada/ quando encontro uma flor/ dou risada de um grande amor/ mentira/”…

O fato é que, tanto Raimundo como Anilton dão muita bola a quem não está jogando tão bem. Ambos deveriam pensar em se articular com camadas jovens da população e entre si, que se dariam melhor do que ficar paquerando quem não ama ninguém.

Em tempo: ainda tem a questão da autoestima boa do partido, que está em frangalhos, com o presidente da Câmara, Pedro Macário mais o vereador Cícero Bezerra, com um pé aqui e outro na prefeitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.