contato@ivonelima.com.br

Paulo Afonso-BA, 20 de maio de 2022

AIDS: “há muitos novos casos entre adolescentes e jovens em Paulo Afonso”

Postado por:

Share on facebook
Share on whatsapp
a255dfd3-7856-4ebc-bc32-355baba49961

Ao contrário do que se possa imaginar, hoje, precisamos, mais do que nunca, falar sobre aids. Inegavelmente quatro décadas depois de descoberto o vírus da imunodeficiência adquirida (HIV), precisamente em 1981, há avanços podem  que eliminar o risco de contaminação entre crianças, contudo, os novos casos estão aumentando entre jovens e adultos.

Quando completou 25 anos da descoberta, a aids já havia ceifado a vida de 25 milhões de pessoas sendo que está presente em mais 40 milhões. Segundo dados da Unaids, a doença é a causa de 15 000 mortes por ano no país.

Voluntário há seis anos na Pastoral da Aids, o soldado Adaílton Santos, informa que o preconceito, em primeiro lugar, e a falta informação do outro, aumentam a estatística que atinge hoje adolescentes e jovens, entre 14 a 24 anos respectivamente.

“A prevenção em nosso município precisa ser constante. Nós somos uma pastoral veiculada à igreja católica, e atendemos pessoas com foco na prevenção, por isso não tenho, nesse segmento, uma estatística precisa”, informou Adaílton, acrescentando que o sigilo em relação aos doentes é rigoroso e primordial: “Há muito preconceito, que é uma das principais barreiras para quem convive com hiv/aids.”

Nesse universo de 120 mil habitantes, o senhor acha que o número de atendidos é alto?

Na verdade, o número é relativo. Ele aumenta a cada dia, temos uma média altíssima. É um dado que nos preocupa, em especial a juventude que tem acesso a informação tanto na escola, nas mídias e redes sócias, mas se acham imunes ao vírus e terminam se descuidando. Especialmente no uso de preservativos e do sexo seguro, que é a principal via de transmissão entre esse público.  O Seta [Serviço de Testagem e Aconselhamento] atende cerca de 300 pessoas, de modo geral.

Eventos

A Pastoral da Aids fará o Chá Positivo na próxima terça-feira 18, no Seta. “Nós demos prioridade às pessoas que convivem com o vírus, mas a ideia é abrir para outros seguimentos para discutirmos ações de prevenção e enfrentamento da doença.”

No dia 18 julho, na Catedral de Nossa Senhora de Fátima, haverá uma vigília com o bispo dom Guido Zendron.

Adaílton informa ainda que o Seta fica na Rua Marechal Castelo Branco, vizinho a casa da comunidade católica Arca da Aliança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.